sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Rezar é preciso

O mês de outubro é dedicado pela Igreja católica ao Rosário de Nossa Senhora. Trata-se de uma oração muito conhecida e estimada, de longa data, pelos fiéis católicos. Uma oração de fisionomia mariana e de âmago cristológico, pois que traz, na sobriedade de seus elementos, “a profundidade de toda mensagem evangélica, da qual é quase um compêndio” (João Paulo II, Carta apostólica Rosarium Virginis Mariae, n.1). Pela recitação fervorosa do Rosário ou do Terço, a fé tem sido propagada, robustecida e aprofundada, e a vida de muitos tem encontrado o sentido e a razão do existir. Ao longo da história da Igreja, são muitos os testemunhos da eficácia da oração do Rosário.
O tema da oração é de inegável importância para a vida humana. Os animais irracionais não rezam, mas o ser humano sim. Isso porque o homem é fundamentalmente aberto à Transcendência. Não se contenta com nada que é finito. E a oração é a elevação da alma, é o suspiro pelo Eterno, é o encontro com Deus.
Uma das características da sociedade moderna é a secularização, que outra coisa não é senão um movimento de volta para o mundo. Voltar para o mundo, reconhecer-lhe a realidade e a beleza e valorizá-lo como convém não são em si mesmas atitudes más. O perigo está em se tornar prisioneiro do mundo, em agarrar-se em suas malhas finitas e perder a capacidade da ultrapassagem, da elevação, do olhar superior. Não devemos nunca esquecer o que disse São João da Cruz, grande místico e doutor da Igreja: “Um só pensamento do homem vale mais que todo o mundo; portanto, só Deus é digno dele”.

A vida moderna, com todo o desenvolvimento científico-técnico de que hoje dispomos, corre facilmente o perigo de fazer do homem um prisioneiro do finito, que jamais poderá preenchê-lo. A oração vem em nossa ajuda, fazendo-nos ver que há uma Realidade (Deus) que dá o verdadeiro sentido a todas as coisas, uma Realidade capaz de entender o homem em todas as suas questões, uma Realidade que é Inteligência e Amor eternos!
O homem que reza nunca está sozinho. Pela oração estamos bem acompanhados, estamos na presença d’Aquele que, sendo Inteligência infinita, pensou em cada um desde toda a eternidade, e, sendo Amor sem limites, deu-nos a existência e guia-nos os passos, por Cristo e no Espírito, para a felicidade completa em seu Reino.
Que a Bem-Aventurada Virgem Maria, mestra da vida de oração, ensine-nos, no mês do seu Rosário, a ser pessoas que rezam! É preciso rezar, pois que oração há de salvar o mundo!

2 comentários:

  1. Parabéns pelo artigo sobre Nossa Mãe, meu caro amigo padre Elilio.. saudades!

    abraço de quem te admira muito!

    ResponderExcluir
  2. Pe. Elílio, sua benção!

    Por favor me oriente pois quero entender uma coisa que não entra na minha cabeça.

    Considerando que... Nossa Senhora disse em
    La Sallete:

    “Os sacerdotes, ministros de meu Filho, os sacerdotes, por sua má vida, por suas irreverências e sua impiedade em celebrar os santos mistérios, por amor do dinheiro, das honras e dos prazeres, os sacerdotes tornaram-se cloacas de impureza… não há mais ninguém digno de oferecer a Vítima sem mancha ao Pai Eterno em favor do mundo.”

    E considerando por exemplo esta situação:

    "Padres e fiéis cometendo erros, muitas palmas, músicas inadequadas, mãos dadas no Pai Nosso, e outros” (repouso no espírito, bla bla bla em linguas estranhas, musicas protestantes, profanação do Santíssimo, profetas, bingo(sic), dança do siri, etc etc etc)

    Mesmo numa missa miseravelmente sacrílega, cheia de profanações e celebrada(por exemplo) por um "padre" que NEGA a presença de Cristo na Eucaristia."

    Observe bem a palavra PROFANO. Cristo estaria num culto profano? Ele estaria numa missa com estas características?

    Mesmo assim, com tudo isso...

    Há hóstias verdadeiramente consagradas?

    Eu acredito que não. E não tem quem me faça convencer do contrário.

    Caso não queira dar resposta em seu blog meu email é ===lisardo@portaluniao.com====

    Lisardo

    ResponderExcluir