Pular para o conteúdo principal

Marta e Maria, atividade e repouso

Marta e Maria podem representar dois estilos de vida — o ativo e o contemplativo. 

A realidade consta de duas dimensões: 1) A dimensão originária, primária, não derivada, que se basta a si mesma. 2) A dimensão emanada, secundária, derivada, que depende da primeira. 

A dimensão originária é o Real propriamente dito. É o que chamamos de Deus. Essa dimensão é paz, quietude, repouso, bem-aventurança! É a eterna luz do Ser em sua verdade, o eterno regozijo do Ser em sua bondade. 

A dimensão emanada é real por participação. É o universo criado. Essa dimensão é marcada pela dualidade, finitude e limitação. Tem algo do Ser, mas não é o Ser. Experimenta algo da plenitude, mas sofre também com a falta. É marcada pela alegria e tristeza, vitória e derrota, gozo e dor. 

Por causa da não plenitude, a dimensão derivada tem de mover-se para ser mais. Tem de transpor obstáculos. Tem de crescer. Tem de tomar consciência e decidir livremente. 

A dimensão originária cria a dimensão emanada para que esta retorne à plenitude da qual tem origem e mergulhe de modo consciente e livre na bem-aventurança divina. A bem-aventurança de que falo não é a felicidade simplesmente humana, marcada sempre por ausências e limitações, mas é a felicidade divina, fruto da contemplação e da fruição do Ser pleno. A dimensão criada retorna ao Princípio através da criatura espiritual, do homem. 

Aqui entendemos o estilo de Marta e Maria. Marta representa a dimensão emanada do real que ainda não retornou plenamente à dimensão originária. Representa a dualidade, a inquietude e a necessidade de agir, de fazer. Maria, ao contrário, representa a dimensão emanada que encontra repouso na dimensão originária. Representa a contemplação, a fruição e a bem-aventurança da dimensão emanada mergulhada na dimensão originária. 

O nosso retorno à dimensão originária do real, ao Real propriamente dito, é um processo. Idas e vindas, trevas e luz. Com a abertura do coração, a fé, a confiança e o amor, vamos transpondo obstáculos. Vamos criando espaço para o divino em nós. Vamos recebendo o Ser pleno e deixando que ele nos receba. « Cristo em vós e a esperança da glória » (Cl 1,27), diz São Paulo sobre o mistério de que participamos. A glória é o esplendor da bem-aventurança perfeita. Cristo em nós é a presença de Deus que nos puxa para ela. 

Enquanto estamos no processo, é inevitável agir. Se queremos comer e vestir, se queremos realizar, se queremos ajudar, se queremos caminhar, se queremos nos desenvolver, temos de agir. No entanto, se a ação fosse o fim supremo, poderíamos ser comparados ao infeliz Sísifo, que, condenado a rolar uma pedra montanha acima, nunca pode descansar nem contemplar o fruto do seu trabalho, já que a pedra, do alto da montanha, volta sempre de novo para baixo, num ciclo sem fim. Esforço vão e sem sentido. « Marta, Marta, tu te preocupas e andas inquieta com tantas coisas, mas uma só coisa é necessária » (Lc 10,41-42). Se a essência da vida é sempre rolar a pedra para ter de rolá-la sempre de novo, estamos diante do absurdo. Mas não. A finalidade da vida é o repouso, a contemplação e a bem-aventurança. Essa é a única coisa realmente necessária! 

Para quem tem essa consciência, é possível fecundar a atividade humana com o bálsamo da contemplação. É possível ser contemplativo na ação, repousar no trabalho e fruir em meio às contradições do tempo presente. Isso é possível pela abertura de coração de quem sabe que a dimensão originária do real existe. É essa abertura que permite que o homem seja plenificado pelo Ser pleno que o criou e o atrai para o mergulho definitivo no repouso beato!

« Maria escolheu a melhor parte, e esta não lhe será tirada! » (Lc 10,42). 

Comentários

  1. Essa passagem é bem interessante e reflexiva. Belo texto, Padre!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pela gentil e clara explanação. Forte abraço. Wallace Louro

    ResponderExcluir
  3. Belo texto! Fico admirada como você nós traduz para nos vivenciar o pleno. Deus te abençoe sempre!🙏🙏

    ResponderExcluir
  4. Obrigado, Padre! Costumo a dizer que este é o "meu" Evangelho, ou seja, que diz respeito ao meu jeito "Marta" de viver. Que aprendamos a descansar aos pés do Senhor! Forte abraço!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Missas da Novena de Santo Antônio em Ewbank da Câmara

As Missas com a Novena de Santo Antônio de Ewbank da Câmara (MG) começam no dia 4 de junho (sábado), às 19h, na matriz de Santo Antônio. Publicamos, dia por dia, para as equipes de liturgia e o povo em geral, os textos do comentário, as preces e o fato da vida de Santo Antônio com a respectiva oração do dia da novena. MISSA DO 1° DIA DA NOVENA - 4 de junho às 19h COMENTÁRIO INICIAL Com.: Com alegria, acolhemos a todos para esta Santa Missa, na qual celebramos o mistério da Ascensão do Senhor. Ao subir aos céus, Jesus nos mostra que estamos a caminho da casa do Pai. Não temos aqui morada permanente. Mas é certo que devemos viver bem aqui neste mundo, fazendo a vontade de Deus, para passarmos para a Casa do Pai com paz e tranquilidade. Hoje, celebramos também o 1° dia da novena de nosso padroeiro Santo Antônio, cujo tema é a “Vocação de Antônio”. Foi porque ele ouviu a voz de Deus em sua vida que se tornou santo, seguindo os passos de Jesus até o céu. Cantemos para acolher o celeb

Algumas questões sobre o homem e a fé

Padre Elílio de Faria Matos Júnior 1. Todos os homens querem ser felizes? Sim, todos os homens, sem exceção, querem ser felizes. Eu, você e todos nós. O desejo da felicidade foi colocado em nós por Deus para que O encontrássemos, Ele que é a Felicidade completa. Infelizmente, muitos procuram a felicidade onde ela não existe: no egoísmo, no comodismo, na vingança, no crime, nos prazeres desregrados, como a droga, o sexo fora do matrimônio, as bebedeiras, etc. Por isso, precisamos ser como que faróis a apontar para Deus e para o seu Amor que perdoa, cura, liberta e salva. Assim, ajudaremos o mundo a encontrar a felicidade que tanto procura. 2. Como conhecemos a Deus? Nós conhecemos a Deus pelas obras que Ele criou. Assim como uma bela pintura fala do artista que a executou, as maravilhas da criação falam de Deus, o grande Artista do Universo: “Os céus narram a glória de Deus, o firmamento anuncia a obra de suas mãos” (Sl 19,2). A Deus também podemos ouvir pela voz de nossa con

Ultrapassar o ego

Se há algo que acomuna todas as grandes religiões, parece ser a necessidade de ultrapassar o ego. O ego, com seus interesses mesquinhos, sua visão míope e sua mentalidade estreita, deve ceder espaço ao divino. São Paulo o experienciou muito bem quando disse já não ser ele que vivia, mas Cristo nele. A consciência pequena deve deixar-se ultrapassar pela consciência grande. O homem deve reconhecer os valores que o ultrapassam como mero indivíduo e o introduzem conscientemente no horizonte do Ser e na comunhão do Todo .   No entanto, para que o homem se desapegue do seu ego, é inevitável a crise . Esta tem por função sacudir o ego e feri-lo, de modo que seja reconhecido impotente e frágil, incapaz de salvação. É então que o homem perderá sua identificação com as estreitezas do ego para alojar-se num mais amplo espaço do espírito. Perdido o ego, o homem ganhará o que está para além do ego.   O ego é o eterno insatisfeito. É carente, quer atenção, busca destacar-se… Tudo isso porque é essen