Pular para o conteúdo principal

Missas da Novena de Santo Antônio em Ewbank da Câmara

As Missas com a Novena de Santo Antônio de Ewbank da Câmara (MG) começam no dia 4 de junho (sábado), às 19h, na matriz de Santo Antônio. Publicamos, dia por dia, para as equipes de liturgia e o povo em geral, os textos do comentário, as preces e o fato da vida de Santo Antônio com a respectiva oração do dia da novena.


MISSA DO 1° DIA DA NOVENA - 4 de junho às 19h


COMENTÁRIO INICIAL

Com.: Com alegria, acolhemos a todos para esta Santa Missa, na qual celebramos o mistério da Ascensão do Senhor. Ao subir aos céus, Jesus nos mostra que estamos a caminho da casa do Pai. Não temos aqui morada permanente. Mas é certo que devemos viver bem aqui neste mundo, fazendo a vontade de Deus, para passarmos para a Casa do Pai com paz e tranquilidade. Hoje, celebramos também o 1° dia da novena de nosso padroeiro Santo Antônio, cujo tema é a “Vocação de Antônio”. Foi porque ele ouviu a voz de Deus em sua vida que se tornou santo, seguindo os passos de Jesus até o céu. Cantemos para acolher o celebrante e seus auxiliares.


ANTES DAS LEITURAS 

Com.: Ouçamos com atenção a Palavra que hoje Deus nos dirige!


PRECES
(Motivação espontânea pelo celebrante)

Com.: A resposta de nossos pedidos será: Senhor, escutai a nossa prece!

1. Para que o mistério da Ascensão do Senhor recorde à Igreja inteira que a nossa meta é a comunhão com Deus nos céus, rezemos ao Senhor!

R.: Senhor, escutai a nossa prece!

2. Para que o Papa e os bispos tenham força e coragem de anunciar ao mundo de hoje a fé em Jesus Cristo, que morreu ressuscitou e subiu aos céus, rezemos ao Senhor!

3. Para que a nossa fé no Reino dos Céus não nos deixe esquecer que esse Reino já começa aqui na terra quando amamos a Deus e o próximo, rezemos ao Senhor!

4. Para que o exemplo de Santo Antônio, nosso padroeiro, que foi fiel à vocação recebida de Deus, nos estimule a fazer o mesmo, rezemos ao Senhor!

5. Por todos os doentes de nossa paróquia, para que, aliados à Cruz do Salvador, experimentem a força renovadora da Páscoa, rezemos ao Senhor!


FATO DA VIDA DE SANTO ANTÔNIO

Santo Antônio nasceu em Portugal, no ano de 1195. Ele era de família nobre e rica. O pai, senhor Martinho, ocupava o cargo de prefeito de Lisboa. A mãe, dona Teresa, pertencia à alta nobreza. Mas o melhor título que possuíam, era o de serem cristãos.O menino crescia, cercado de todos os cuidados: Boa instrução religiosa, boas escolas, muito conforto e muito luxo. Pouco a pouco foi percebendo que esse mundo de luxo e de vaidade não servia para ele. Vivia intranquilo. Deus o chamava para uma vida de doação e simplicidade evangélica.Tentou esse tipo de vida na Ordem dos Cônegos Agostinianos. Sentia-se bem nessa vida de convento. Mas queria mais. Queria ser missionário na África. Queria morrer mártir pela fé. Ouviu falar dos Frades Franciscanos. Eram pessoas simples que serviam a Deus e ao próximo na maior pobreza e desprendimento. Pegavam os serviços mais humildes e até pediam esmola, como pobres, para se manter. Antônio gostou dessa vida de abnegação. Passou para os Franciscanos. Encontrara finalmente sua vocação: ser missionário na pobreza, na doação e no desapego.


ORAÇÃO

No final desta celebração, nós queremos pedir, glorioso Santo Antônio, que continueis sendo o defensor dos fracos, dos sofridos, dos abandonados, do povo que vive sem rumo. Pedi a Jesus, a Nossa Senhora e aos vossos companheiros no céu, que nos animem na caminhada e nos defendam de todos os laços da maldade, nós que caminhamos nas estradas da vida rumo ao céu. Amém.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ultrapassar o ego

Se há algo que acomuna todas as grandes religiões, parece ser a necessidade de ultrapassar o ego. O ego, com seus interesses mesquinhos, sua visão míope e sua mentalidade estreita, deve ceder espaço ao divino. São Paulo o experienciou muito bem quando disse já não ser ele que vivia, mas Cristo nele. A consciência pequena deve deixar-se ultrapassar pela consciência grande. O homem deve reconhecer os valores que o ultrapassam como mero indivíduo e o introduzem conscientemente no horizonte do Ser e na comunhão do Todo .   No entanto, para que o homem se desapegue do seu ego, é inevitável a crise . Esta tem por função sacudir o ego e feri-lo, de modo que seja reconhecido impotente e frágil, incapaz de salvação. É então que o homem perderá sua identificação com as estreitezas do ego para alojar-se num mais amplo espaço do espírito. Perdido o ego, o homem ganhará o que está para além do ego.   O ego é o eterno insatisfeito. É carente, quer atenção, busca destacar-se… Tudo isso porque é essen

Livro de Jó

Padre Elílio de Faria Matos Júnior Você sabe por que foi escrito o livro de Jó? Trata-se de um livro escrito entre o século V e III a.C., e tinha por principal objetivo questionar a teologia da sua época, segundo a qual o sofrimento é consequência direta do pecado pessoal de quem sofre. Em geral pensava-se que a fidelidade a Deus era recompensada nesta vida com bens materiais e familiares, com a boa saúde e a vida longa, e, ao contrário, a infidelidade, punida com o insucesso e as diversas desgraças da vida presente. Não se tinha ainda a fé na vida para além da morte. O livro apresenta Jó, um homem verdadeiramente fiel a Deus, indicado até mesmo como modelo para os anjos, que, no entanto, de repente e misteriosamente, é duramente provado pela perda de seus bens, de seus filhos, de sua saúde e de sua dignidade. Como entender uma coisa dessas? O livro relaciona o sofrimento do justo Jó a um mistério sobrenatural, a Satanás - este ainda não é o Satanás do inferno como o conhecemos