Pular para o conteúdo principal

Bíblia, inspiração e interpretação


A Bíblia Sagrada é um conjunto de livros. O nome “Bíblia” veio da língua grega (biblía é o plural de biblíon, que por sua vez é o diminutivo de bíblon, que significa “livro”). De acordo com sua raiz etimológica, portanto, Bíblia faz referência a um conjunto de livrinhos. Na verdade, segundo o catálogo católico, já presente em concílios (reuniões eclesiásticas) regionais da Antiguidade (final do século IV) e, depois, reafirmado pelo Concílio Geral de Trento (século XVI), a Bíblia é um conjunto de 73 livros, cujos tamanhos variam, mas em geral não são grandes (há mesmo “livros” que são cartas de uma ou poucas páginas, como a Carta de São Paulo a Filêmon).

Esses 73 livros foram compostos em datas e circunstâncias variadas, num período de tempo que se estende do século VIII a.C até os fins do século I ou inícios do século II d.C. Até recentemente, se admitia que no século IX a.C. já se escreviam os primeiros textos bíblicos na corte do rei Salomão, de Israel, mas estudiosos têm agora defendido a tese de que as condições de escrita em Israel só se concretizaram a partir do século VIII a.C. A Bíblia certamente recolhe tradições orais que lançam suas raízes em tempos muito antigos – como as referências a Abraão (século XVIII a.C.) e a Moisés (séc. XII a.C).

A Igreja católica ensina que toda a Bíblia é inspirada por Deus. Esse ensinamento precisa, contudo, ser bem entendido. A Sagrada Escritura (outro nome da Bíblia) certamente não caiu do céu nem mesmo foi o fruto de um ditado de Deus ao autor sagrado (chamado hagiógrafo). A inspiração consiste, antes, numa luz captada pela inteligência do hagiógrafo e numa moção que a sua vontade recebe para que, a partir do cabedal de cultura que possui, coloque por escrito aquilo que Deus quer como útil à salvação de seu povo. Muitos textos da Bíblia só chegaram à sua versão definitiva depois de compilações, costuras e releituras de outros textos. A inspiração divina diz respeito à versão final, mas não se exclui que tenha acompanhado todo o processo de produção do texto, muitas vezes complexo, orientando-o para o seu desfecho.

Se a inspiração se dá sempre segundo a cultura do hagiógrafo, é preciso estar minimamente informado sobre essa cultura para que se saiba interpretar adequadamente o texto sagrado. Evita-se o fundamentalismo ou a leitura literalista da Bíblia quando se procura entender o que Deus quis dizer pelo hagiógrafo em determinada época e em determinada circunstância e, em seguida, se procura traduzir o significado daquela palavra dada no passado para o nosso presente. Como a Bíblia não nasceu solta e sem raiz, mas tem seu solo no chão da história de um povo de fé – o antigo povo de Deus e o novo povo de Deus, a Igreja -, há de se levar em conta o que o Povo de Deus disse e diz sobre a Escritura que brotou de sua abertura ao Mistério e ilumina a sua caminhada rumo à saúde total – a salvação de Deus.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Missas da Novena de Santo Antônio em Ewbank da Câmara

As Missas com a Novena de Santo Antônio de Ewbank da Câmara (MG) começam no dia 4 de junho (sábado), às 19h, na matriz de Santo Antônio. Publicamos, dia por dia, para as equipes de liturgia e o povo em geral, os textos do comentário, as preces e o fato da vida de Santo Antônio com a respectiva oração do dia da novena. MISSA DO 1° DIA DA NOVENA - 4 de junho às 19h COMENTÁRIO INICIAL Com.: Com alegria, acolhemos a todos para esta Santa Missa, na qual celebramos o mistério da Ascensão do Senhor. Ao subir aos céus, Jesus nos mostra que estamos a caminho da casa do Pai. Não temos aqui morada permanente. Mas é certo que devemos viver bem aqui neste mundo, fazendo a vontade de Deus, para passarmos para a Casa do Pai com paz e tranquilidade. Hoje, celebramos também o 1° dia da novena de nosso padroeiro Santo Antônio, cujo tema é a “Vocação de Antônio”. Foi porque ele ouviu a voz de Deus em sua vida que se tornou santo, seguindo os passos de Jesus até o céu. Cantemos para acolher o celeb

Ultrapassar o ego

Se há algo que acomuna todas as grandes religiões, parece ser a necessidade de ultrapassar o ego. O ego, com seus interesses mesquinhos, sua visão míope e sua mentalidade estreita, deve ceder espaço ao divino. São Paulo o experienciou muito bem quando disse já não ser ele que vivia, mas Cristo nele. A consciência pequena deve deixar-se ultrapassar pela consciência grande. O homem deve reconhecer os valores que o ultrapassam como mero indivíduo e o introduzem conscientemente no horizonte do Ser e na comunhão do Todo .   No entanto, para que o homem se desapegue do seu ego, é inevitável a crise . Esta tem por função sacudir o ego e feri-lo, de modo que seja reconhecido impotente e frágil, incapaz de salvação. É então que o homem perderá sua identificação com as estreitezas do ego para alojar-se num mais amplo espaço do espírito. Perdido o ego, o homem ganhará o que está para além do ego.   O ego é o eterno insatisfeito. É carente, quer atenção, busca destacar-se… Tudo isso porque é essen

Algumas questões sobre o homem e a fé

Padre Elílio de Faria Matos Júnior 1. Todos os homens querem ser felizes? Sim, todos os homens, sem exceção, querem ser felizes. Eu, você e todos nós. O desejo da felicidade foi colocado em nós por Deus para que O encontrássemos, Ele que é a Felicidade completa. Infelizmente, muitos procuram a felicidade onde ela não existe: no egoísmo, no comodismo, na vingança, no crime, nos prazeres desregrados, como a droga, o sexo fora do matrimônio, as bebedeiras, etc. Por isso, precisamos ser como que faróis a apontar para Deus e para o seu Amor que perdoa, cura, liberta e salva. Assim, ajudaremos o mundo a encontrar a felicidade que tanto procura. 2. Como conhecemos a Deus? Nós conhecemos a Deus pelas obras que Ele criou. Assim como uma bela pintura fala do artista que a executou, as maravilhas da criação falam de Deus, o grande Artista do Universo: “Os céus narram a glória de Deus, o firmamento anuncia a obra de suas mãos” (Sl 19,2). A Deus também podemos ouvir pela voz de nossa con