segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Pingos de filosofia - Gadamer

Gadamer foi discípulo de Heidegger. Do mestre aprendeu que a posição do homem no mundo é uma posição hermenêutica, isto é, interpretativa. Na sua principal obra - Verdade e médoto -, Gadamer sustenta que a ciência moderna, herdeira do modo grego raciocinar, não é a única a ter acesso à verdade. Aliás, a verdade acontece sobretudo fora dos âmbitos por demais restritos do método científico, que há a irrealizável pretensão de agarrar de uma vez por todas o objeto de conhecimento. A pretensão de uma objetivação completa é impossível. Seria o domínio total do sujeito finito, situado e histórico sobre a verdade. A verdade, segundo Gadamer, não é aferrada pelo sujeito, mas acontece ao sujeito, à semelhança do que se dá na arte. Quando me ponho diante de uma obra de arte, não sou eu que a aferro com um método qualquer, mas é a obra que me fala e abre para mim um horizonte novo. A obra de arte acontece para quem a contempla, de maneira que se patenteia que ela é portadora de uma verdade maior do que o contemplador e que o envolve, transformando o seu olhar pela abertura de novos mundos. A obra fala. Não fala, porém, no vazio. O contemplador já traz consigo um mundo de representações e pré-juízos. É a partir dessa pré-compreensão do sujeito que a obra fala. A pré-compreensão não é obstáculo à compreensão da obra, mas sua condição de possibilidade. A partir da "fala" da obra, o sujeito experimenta a possibilidade de crescer e até de transformar a pré-compreensão que lhe permitira olhar a obra. Assim é a experiência da verdade na nossa vida: a partir de nossa pré-compreensão, olhamos o mundo, os textos da nossa tradição, o outro que nos fala; olhamos e nos envolvemos com os diversos textos do mundo, e tudo isso significa um apelo para nós, que nos convida a crescer rumo à verdade num processo infinito de interpretação. Gadamer não renuncia à verdade, mas sustenta que a verdade total não cabe ao sujeito situado, finito e histórico. O sujeito pode sempre crescer rumo à verdade, deixar-se envolver com ela, sem jamais aferrá-la ou transformá-la num objeto (ob-iectus = o que está simplesmente diante do sujeito). A verdade é sempre maior.

Nenhum comentário:

Postar um comentário