segunda-feira, 10 de maio de 2010

Que é o homem?


Padre Elílio de Faria Matos Júnior


Com o desenvolvimento das ciências da natureza a partir do séc. XVII e das ciências do homem a partir do séc. XVIII, a muitos estudiosos parece não ser mais possível alcançar uma ideia unitária do homem. O saber tornou-se fragmentado. Considera-se o homem do ponto de vista da biologia, da teoria da evolução, da sociologia, da antropologia cultural, da psicologia etc, mas não se consegue encontrar aquele plano de compreensão capaz de unificar crítica e coerentemente o saber do homem sobre si mesmo. Por vezes uma determinada ciência pretende arvorar-se em única intérprete autorizada da compreensão do homem. Assim, define-se o homem sob o ponto de vista exclusivo da biologia ou da sociologia ou da antropologia cultural, o que a meu ver representa o maior perigo acadêmico.
Ora, é inegável que o homem é constituído por uma dimensão biológica, psicológica, sociológica, cultural... Mas o que constitui o homem como homem é inegavelmente a sua dimensão espiritual. O espírito é a categoria que, sem negar as demais categorias que constituem o ser do homem, assume-as, mostrando-se como condição de possibilidade de o homem expressar-se como homem propriamente dito. Nesse sentido, é a categoria do espírito que proprociona aquela compreensão do homem capaz de alcançar uma “ideia do homem”. 

Pelo espírito o homem se experimenta como um ser de razão e de liberdade. Evidentemente, o espírito não pode ser detectado pela observação empírica, própria das ciências na natureza, nem analisado pelos procedimentos das ditas ciências do homem. O espírito só pode ser reconhecido pela reflexão. O homem é, admiravelmente, capaz de se voltar para si mesmo e de experimentar-se como um ser racional e livre. Negar a dimensão espiritual do homem é cair em contradição, uma vez que, para negá-la, o homem precisa interrogar-se sobre si mesmo. Ora, o ato mesmo de interrogar-se sobre si mesmo é um ato em que o homem interrogante experimenta-se como razão e liberdade.

O homem, na verdade, não é espírito puro, mas é coroado pela dimensão espiritual. E é vivendo a vida do espírito que o homem expressa sua humanidade. Pela vida do espírito, o homem é capaz de ultrapassar, de alguma maneira, todas as determinações biológicas, psicológicas, sociológicas e culturais. Pelo espírito, o homem está aberto para a infinutude do ser e do bem, de modo que os contornos limitados da natureza e da sociedade não podem trazer-lhe satisfação plena. Há um “excesso ontológico” no homem que o leva a se ultrapassar constantemente. Só o Absoluto real pode trazer-lhe satisfação. Na verdade, em última análise, o homem é um ser para a Transcendência.

3 comentários:

  1. Robione Antonio Landim15 de maio de 2010 21:23

    Pe. Elílio,
    como assegurar, dentro da contemporaneidade, a tese de que o ser humano é "homo religiosus"? É o que o Sr. quis dizer quando afirma que o ser humano é um ser para a Transcedência?

    ResponderExcluir
  2. O pensamento contemporâneo promove, a títulos diversos, a "desconstrução" da ideia de homem como ser coroado pela dimensão espiritual. Estamos diante mesmo de um paradoxo: de um lado, o saber constituído desconstrói o homem em sua dignidade espiritual - o homem como pessoa -; de outro, nunca tivemos tanta insistência nos direitos da dignidade humana, a dignidade da pessoa.
    Pelo espírito, o homem é coextensivo, intencionalmente, ao Ser (em sua amplitude ilimitada); assim, só o Absoluto de existência pode ser o fundamento da abertura ilimitada do espírito, que não se satisfaz com realizações do mundo ou da história. É isso que faz do homem um ser essencialmente religioso.

    ResponderExcluir
  3. No meu recente artigo jornalístico intitulado "Missão dos pais", eu afirmo assim: "Considerando que o homem é, por natureza e por vocação, um ser religioso, os pais devem sempre esforçar-se por dar exemplo e testemunho, com a própria vida, de fé em Deus... Portanto, o ateísmo e o agnosticismo contrariam gravemente a educação espiritual que os pais devem oferecer aos filhos. Os pais têm a missão de ensinar os filhos a orar e a descobrir sua vocação de filhos de Deus" (Tribuna de Minas 27/05/2010).
    A Igreja considera que "em sua história, e até os dias de hoje, os homens têm expressado de múltiplas maneiras sua busca de Deus por meio de suas crenças e de seus comportamentos religiosos (orações, sacrifícios, cultos, meditações etc). Apesar das ambiguidades que podem comportar, estas formas de expressão são tão universais que o homem pode ser chamado de um ser religioso" (Catecismo da Igreja Católica nº 28). O Concílio Vaticano II declarou que o aspecto mais sublime da dignidade humana está nesta vocação do homem à comunhão com Deus. Este convite que Deus dirige ao homem, de dialogar com ele, começa com a existência humana. Pois se o homem existe, é porque Deus o criou por amor e, por amor, não cessa de dar-lhe o ser, e o homem só vive plenamente, segundo a verdade, se reconhecer livremente este amor e se entregar ao seu Criador.

    ResponderExcluir