sábado, 16 de julho de 2011

"Escolha sua Igreja..."

Dom Estêvão Bettencourt, OSB


Em síntese: O sociólogo Gilson Gondim comenta a multiplicação de "Igrejas"protestantes, mostrando a manipulação do conceito de Igreja por parte de empreendedores que chegam a vender igrejas com seus membros. As novas comunidades eclesiais têm nomes fantasiosos, que ilustram o vilipêndio da noção de Igreja.

O JORNAL DA PARAÍBA, edição de 11/10/03, publicou significativo artigo do sociólogo Gilson Gondim, que vai, a seguir, transcrito e comentado:

"Escolha sua Igreja. Ou funde uma."

O Brasil tem, segundo o Censo, cerca de 26 milhões de evangélicos. A revista 'Eclésia', em sua edição no91, informa que o número médio de membros por denominação é de aproximadamente 1.500. Isto significa que há no Brasil cerca de 17.000 (isso mesmo: dezessete mil) denominações evangélicas. O número de templos é calculado pela revista em 150.000, o que dá uma média em torno de nove templos por igreja. Como algumas igrejas têm centenas ou milhares de templos, a grande maioria tem apenas um ou dois.

É extremamente fácil fundar uma igreja por aqui. Basta formar uma diretoria composta de oito pessoas, fazer uma reunião para aprovar a ata de fundação, elaborar o estatuto e registrá-lo em cartório. O processo todo custa 250 reais, mais o que se pagar ao contador que cuidar da papelada. Uma parte muito importante do empreendimento é a escolha do nome. Alguns empreendedores evangélicos escolhem nomes grandiloqüentes e pretensiosos. Outros incluem palavras consagradas por denominações já estabelecidas. Os mais atentos fazem as duas coisas. É o caso da Igreja Universal da Assembléia dos Santos, que pega uma carona nos nomes da pentecostal Assembléia de Deus e da neopentecostal Igreja Universal do Reino de Deus. A pretensão fica por conta do adjetivo "Universal" e do substantivo "Santos". E assim vão se fundando cinco igrejas por semana, somente no Estado do Rio de Janeiro.

Algumas igrejas fazem uma salada teológica. É o caso da Igreja Evangélica Muçulmana Javé É Pai e da Igreja Evangélica Espírita Nacional. Se o fundador desiste do negócio, pode vender a igreja. O jornal carioca Balcão, que publica anúncios vendendo de varas de pesca a livros raros, publicou um anúncio que oferecia uma igreja com prédio próprio, móveis e sistema de som completo, além de cerca de 200 membros. Estava vendendo até os membros da congregação! Muitas das 17 mil igrejas têm nomes esquisitos. O professor Paulo Donizéti Siepierski, membro da Associação Brasileira da História das Religiões, explica que a criatividade dos nomes é fundamental para o sucesso do empreendimento: 'A concorrência no mercado religioso tornou-se bastante acirrada nos últimos anos. A necessidade de se diferenciar passou a ser imperativa'.

Se você não quer fundar uma igreja nova e prefere aderir a uma já existente, eis algumas delas:

Igreja Evangélica Pentecostal Cuspe de Cristo;

Associação Evangélica Fiel Até Debaixo D'Agua;

Igreja Evangélica Abominação á Vida Torta;

Igreja Bola de Neve;

Cruzada Evangélica do Pastor Waldevino Coelho, A Sumidade;

Igreja Pentecostal do Pastor Sassá;

Igreja Evangélica Adão é o Homem;

Igreja da Pomba Branca;

Igreja do Amor Maior que Outra Força;

Igreja Evangélica Batista Barranco Sagrado;

Igreja Pentecostal Jesus Vem, Você Fica;

Igreja Evangélica Pentecostal A Última Embarcação Para Cristo;

Igreja Batista A Paz do Senhor e Anti-Globo;

Igreja Cristo é Show...".



QUE DIZER?

Abstração feita dos possíveis exageros nos cálculos do artigo, este não deixa de refletir uma dolorosa realidade: a comercialização dos valores sagrados. Pode-se crer que muitos daqueles que fundam uma nova igreja, estejam de boa fé, não percebendo o mal que cometem. Tal é o subjetivismo (aliás patrocinado por Lutero com a sua tese do "livre exame da Bíblia") impregnado nesses irmãos que concebem a Igreja como um clube ou um partido político, que cada interessado pode fundar e vender de acordo com as suas conveniências. As denominações recenseadas por Gilson Gondim têm seu estilo popular, semelhante ao de uma brincadeira.

Na verdade, só existe uma Igreja fundada por Cristo: aquela que Ele construiu sobre a Rocha e confiou ao pastoreio de Pedro e seus sucessores. Essa Igreja é sacramento ou uma realidade divino-humana; ela de certo modo continua o mistério da Encarnação; o Filho de Deus aí se recobre de fragilidade humana... fragilidade porém que não impede a sua ação santificadora em favor de quantos O procuram através dos véus humanos. Vê-se, pois que ninguém pode fundar uma igreja nova; Igreja não é clube esportivo nem partido político.

Fonte: PERGUNTE E RESPONDEREMOS 500 – fevereiro 2004

Nenhum comentário:

Postar um comentário