quarta-feira, 17 de março de 2010

Brasil desiste de promover o aborto


Parece que as orações e os protestos valeram alguma coisa. Mas a luta continua, e não podemos parar de reivindicar os verdadeiros direitos humanos, que nunca aprovariam a morte fria e calculada de uma vida humana inocente e indefesa. O aborto jamais poderá passar como um "direito humano", como quer o PT e partidos afins. Vejamos a notícia:
Ter, 16 Mar, 10h09
Rio de Janeiro, 16 mar (EFE).- O Governo do Brasil retrocedeu e decidiu não promover a legalização do aborto, um dos pontos mais polêmicos de um programa sobre direitos humanos aprovado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, informou hoje o ministro de Direitos Humanos, Paulo Vannuchi.
O plano de direitos humanos, autorizado em dezembro passado, orientava o Legislativo a elaborar leis para descriminalizar o aborto, regularizar as uniões civis entre homossexuais e as questões relacionadas à investigação das torturas cometidas durante a ditadura militar (1964-1985).
Vannuchi explicou à Agência Brasil que o Governo desistiu do aborto e da tentativa de proibir a exibição de símbolos religiosos em prédios públicos, dois pontos polêmicos que foram duramente criticados pelo Episcopado.
Além disso, será eliminada uma proposta que sugeria a realização de audiências prévias aos julgamentos de conflitos agrários entre fazendeiros e movimentos sociais, o que gerou protestos dos sindicatos dos produtores agrícolas.
O Governo já havia modificado anteriormente a questão das torturas durante a ditadura e ordenou ampliar as investigações a todos os abusos aos direitos humanos cometidos na época, o que inclui os crimes cometidos pelos grupos extremistas de esquerda. EFE.

2 comentários:

  1. Uma estratégia eleitoral apenas.
    Voltarão à carga quando a ex-terrorista for eleita.

    ResponderExcluir
  2. Caro Padre, a vossa benção!

    Fica bem claro neste fato a importância e a autoridade que o Episcopado tem diante na nação e dos politicos, e também fica bem claro que, se nossos Bispos quizessem, ou tivessem coragem, muitas outras coisas poderiam ser evitadas como a lei do divórcio e tantas outras que vão contra a lei de Nosso Senhor. O que falta mesmo é a dedicação deste Episcopado em se levantar e chamar os católicos a se unirem e protestar contra estas leis perversas. Mas, a CNBB é muito ocupada com o MST e com a reforma agrária que é o que mais interessa aos esquerdistas. Uma pena.

    Cleber

    Visite o blog da Santa Missa Tridentina em Brasília: www.missatridentinaembrasilia.wordpress.com

    ResponderExcluir