sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Missa Tridentina: Santa Sé diz que bispos devem seguir indicações do Papa

Cidade do Vaticano, 07 ago (RV) - O novo secretário da Pontifícia Comissão Ecclesia Dei, Dom Guido Pozzo – uma das peças-chave do Vaticano para o diálogo com os lèfebvrianos − escreveu uma carta a respeito das indicações dadas por Bento XVI sobre a celebração da Missa pré-conciliar (Rito de São Pio V), considerando que os bispos deve "estar em linha com as diretivas" do Motu Proprio Summorum Pontificum.

Bento XVI permitiu a celebração com o Missal de 1962, precedente à reforma litúrgica feita pelo Concílio Vaticano II. Esse rito contempla o uso do latim e a posição do sacerdote no altar (de costas para a assembleia). A decisão do pontífice é universal, o que significa que a Missa Tridentina pode ser celebrada pelo sacerdote que o desejar, sem necessidade de autorização hierárquica (licença ou indulto) de um prelado. Os textos litúrgicos redigidos e promulgados após o Concílio continuam, todavia, a constituir a forma ordinária e habitual do Rito Romano.

Dom Pozzo chegou à Ecclesia Dei em julho passado, após as profundas mudanças efetuadas por Bento XVI nesse organismo da Cúria Romana, agora diretamente ligado à Congregação para a Doutrina da Fé.

Mostrando-se compreensivo em relação às exigências dos fiéis que pretendem a celebração no Rito de Pio V, Dom Pozzo lembra também, que não é fácil para os bispos disporem de padres e igrejas para a celebração no Missal antigo, quando já estão sobrecarregados com encargos pastorais e afetados pela crise de vocações.

A Ecclesia Dei é uma comissão que tem por objetivo "facilitar a plena comunhão eclesial" dos fiéis ligados à Fraternidade São Pio X, fundada pelo bispo tradicionalista Dom Marcel Lèfebvre, "conservando as suas tradições espirituais e litúrgicas".

Criada por João Paulo II, em 1988, a comissão quer ser um sinal de comunhão para todos os fiéis católicos que se sentem vinculados a algumas precedentes formas litúrgicas e disciplinares da tradição latina, procurando adoptar "as medidas necessárias para garantir o respeito de suas justas aspirações".

O Motu Proprio de Bento XVI sobre a Liturgia Romana anterior à reforma do Concílio Vaticano II entrou em vigor em 14 de setembro de 2008. O documento aprova a utilização universal do Missal promulgado pelo bem-aventurado João XXIII, em 1962, com o Rito de São Pio V, utilizado na Igreja durante séculos.

O Rito de São Pio V, que a Igreja Católica usava até a reforma litúrgica de 1970 (com algumas modificações, a última das quais datada de 23 de Junho de 1962) foi substituído pela Liturgia do Novus Ordo (Novo Ordinário) aprovada como resultado da reforma litúrgica do Concílio Vaticano II. (AF)

Nenhum comentário:

Postar um comentário